Seja bem vindo(a)!

Que a sua visita seja constante e some muitos prodígios ao blog!

Deixe sua sugestão e/ou sua crítica.



“Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”.

As figuras utilizadas nas postagens são originárias do google images.


sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

E, a Mãezinha passou na frente

Era uma vez a história que se tratava de uma novela burocrática da vida real.

Tantos eram os afazeres e os compromissos para aquele início de descanso programado e, eis que, naquele sábado maravilhoso e ensolarado tudo ficava em segundo plano.

Aquele sorriso no rosto, que se preparava para fulgurar em mais uma viagem de final de semana foi destruído pelo choro da dor.

Dor que de tanto doer invadiu até a alma.
Dor que depois de ter invadido a alma transcendeu para o infinito.

Impossível conter as lágrimas diante da situação acometida e tão presente.
Começava-se então a maratona a ser percorrida em busca de bons profissionais a fim de resolver o problema.
Absorvidos no acontecido, os envolvidos no fato não se voltaram a Ela.
Quando enfim, encontrara-se  o profissional adequado ao caso, foram os procedimentos que não estavam autorizados pela operadora e assim, os dias, as semanas e os meses pareciam se arrastar como trens enferrujados sem trilhos para  rodar.

Mais lágrimas transcorreram pelas bochechas agora pálidas e gélidas, endurecidas pela dor proeminente.
Dor esta que já percorria todo o físico e maltratava  também o emocional.
Dor esta que já fizera todo o desgaste daquele mínimo ser.

As forças foram esgotadas.
Os recursos foram esgotados.
A esperança esvaiu-se.
A sofreguidão invadira e tomara conta de tudo aquele ser, que somente então, resolvera recorrer à enfermeira maior:

- Mãezinha, passa na frente, por favor!


E, tudo fora silenciado.
Não se buscaram mais soluções para o problema.
Foram entregues a Ela todas as necessidades do momento.

- Mãezinha, passa na frente, por favor!

Como num passe de mágica, o telefone tocara e, as respostas, que tanto se esperara naquele tempo todo, chegaram como um lenço branco voando ao vento.
Sim, o problema estava resolvido, o tratamento executado e a dor exaurida.

A Mãezinha passou na frente e tomou conta de tudo.
Aquele ser tão pequeno, dobrou seus joelhos no chão, olhou para o céu e agradeceu a Ela que intercedeu na necessidade junto a Ele.

Compreendemos com isso que, devemos entregar mais os nossos problemas a Ele e, a Ela, pedir sempre a Sua intercessão pois, somente no momento certo, que não é o nosso, e da forma correta, que não é a nossa, tudo é resolvido.

Bia Fernandes
(Texto integrante do livro "Contos e Encantos do Cotidiano" da autora)