Seja bem vindo(a)!

Que a sua visita seja constante e some muitos prodígios ao blog!

Deixe sua sugestão e/ou sua crítica.



“Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”.

As figuras utilizadas nas postagens são originárias do google images.


terça-feira, 5 de junho de 2012

Amarras...



Amarras em mãos e pernas.
Amarras de alma e coração.
Amarras de boca e palavra.
Amarras causam a sofreguidão.

Sinto-me atada, de mãos e pernas, onde não consigo me mover para o lado.
Sinto-me atada de alma e coração, onde não posso ser fiel aos meus reais sentimentos.
Sinto-me atada de boca e palavra, porque não me é permitido dizer o que precisa ser dito.
Sinto-me atada no sofrimento da situação.


Continua no próximo livro...




Bia Fernandes

Um comentário:

  1. BIA, AMARRAS DO CORPO NÃO SERVEM NA ALMA!
    Deixar-se amarrar o corpo, sem olhar de lado,dias inúteis passados ao largo. Convenções, prisão do coração e desejo de ser livre. A alma não tem amarras pode voar sem medo, voar e voar ao sabor da brisa e voltar e voltar! O corpo precisa falar que se estrepem as convenções que lhe prendem num sofrimento sem fim. Deixe as amarras de lado, procure as amarras que lhe deixem fluir, como laços que se entrelaçam, mas desatam por um novo porvir!

    ResponderExcluir