Seja bem vindo(a)!

Que a sua visita seja constante e some muitos prodígios ao blog!

Deixe sua sugestão e/ou sua crítica.



“Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”.

As figuras utilizadas nas postagens são originárias do google images.


sábado, 4 de agosto de 2012

Reflexões sobre educador e aluno



A visão do antigo educador demonstra que, o ser humano, mesmo sendo capaz de utilizar suas capacidades intelectuais preferiu, ou, simplesmente, deu a primazia a um modelo pedagógico que a seu ver talvez, inócuo, que perdurou por anos e anos.



Com a dita evolução, os tempos foram discorrendo através da historia da humanidade, e, o modelo pedagógico continuou, por sua vez, acorrentado a seus limites, pensadores e modelitos.



Como exemplo a esse sistema, velamos todo o potencial do educador de hoje, porque, ontem esse educador fora aluno.



O educador, outrora aluno, absorveu que, ficar assentado numa carteira, defronte ao quadro negro, copiando o que seu professor escrevia, era o suficiente para seu aprendizado, e que, para, e com seu aluno, no presente, deve fazer absolutamente a mesma coisa.



Bonecos! Marionetes! Textos Prontos! Currículos Programáticos! Conteúdo Conveniente!

Exceto tudo isso? Nada!!

Desenvolver o potencial do aluno?

Nunca!



Desenvolver a vontade do individuo de obter cultura?

Isso não é favorável para o Estado e para as classes elitistas!



Quanto menor o grau de instrução, maiores as chances de termos grandes quantidades de marionetes.



Chega!!

O mundo precisa mudar.

A vida é uma elipse que deve estar em constante movimento.



Não há vida sem educação, ao mesmo passo, que não há educação sem o homem.



Este, feito imagem e semelhança de Deus, recebeu o dom da inteligência, e por tê-lo recebido, não pode, sob nenhuma circunstância, abnegar-se dela.



O fazer pedagógico, em todas as suas formas, desde o momento que abrimos os olhos ao acordar, ate o de cerrarmos os mesmos ao dormir esta presente.



Não da mais para ignorar o saber e o fazer.



Num passado pouco distante uma fala chamou-me a atenção e voltou meus ouvidos para ela. Alguém, ao meio de várias pessoas dizia ”Não existe escola ruim... existem professores mal preparados´´.



Pois bem, acerca disso, reflito somente que espécie de professor eu tive, eu sou, que serei e que gostaria que meus futuros filhos, netos, bisnetos e aquéns tivessem...



Reflito sobre qual a sociedade que me encaixo e que todos no mundo estão.



Chego à conclusão de que fazer o mais fácil não é sempre o mais correto. Usar somente o modismo é não querer fazer a diferença.



Fazer a diferença é não ter medo de ser diferente, de ser ousado, criativo, mesmo, observando a realidade em que vivemos.



Façamos a diferença!


Possamos ter a oportunidade de, os que não são seres pensantes se tornem e os que já são, aprimorem sua cultura, para gerarmos mais e mais homens e deixemos as marionetes.

Um comentário:

  1. Cara amiga,
    Desejo ressaltar que ser professor nunca foi uma tarefa fácil. Hoje em dia, a maioria dos educadores, infelizmente, não se curvam aos anseios dos alunos como deveriam! No entanto sou um defensor dos mestres, mesmo porque na época que estudei a transmissão de conhecimentos era algo real e insólito. Os mestres ultrapassavam os limites de simples educadores para agir,às vezes, até como pais, e estabeleciam regras disciplinares não de uma forma arbitrária, mas utilizando-se da autoridade do saber, do conhecimento e da cultura. No passado o professor para sentir os anseios dos alunos procurava sentir-se aluno. Ele não era um simples repassador de ditados entediantes. Você disse bem quando mencionou o fato do professor ficar na frente do quadro negro e o aluno atrás copiando, sem conversar e sem ilustrar, pois somente isso não é educar. Educar na minha humilde opinião é buscar aproximar-se dos alunos usando uma dinâmica, e, debater os assuntos relativos às materias, o que aproxima-os dos educadores e um acaba por aprender com o outro na troca de opiniões! Nos dias de hoje a decoreba deveria ser posta de lado pois a competividade é muito grande e o aluno deve estar muito bem preparado na prática e na teoria, e assim possuir um conteúdo cultural para ser valorizado.Adorei o texto.Abraços amiga!

    ResponderExcluir