Seja bem vindo(a)!

Que a sua visita seja constante e some muitos prodígios ao blog!

Deixe sua sugestão e/ou sua crítica.



“Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações terá sido mera coincidência”.

As figuras utilizadas nas postagens são originárias do google images.


quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Li em algum lugar



"Li, em algum lugar mas não me recordo onde e também não sei a sua autoria, esta mensagem reflexiva que vou partilha-la com vocês".

Bia Fernandes




Amigo.
Na fadiga dos nossos dias, frequentemente esquecemo-nos de elevar uma prece ao Senhor, mas geralmente não nos esquecemos de verificar o nosso e-mail.

Por esta razão, tomei a liberdade de criar uma de tantas apresentações que nos fazem recordar Deus e fazer uma pequena oração:

Meu Deus.
Ajuda-me a dizer a palavra da verdade na cara dos fortes, e a não mentir para obter o aplauso dos débeis.
 
Se me dás dinheiro, não tomes a minha felicidade e, se me dás forças, não tires o meu raciocínio.
 
Se me dás êxito, não me tires a humildade e, se me dás humildade, não me tires a dignidade.
 
Ajuda-me a conhecer a outra face da realidade e não me deixes acusar os meus adversários, apontando-os de traidores, porque não partilham do meu critério.
 
Ensina-me a amar os outros como amo a mim mesmo e a me julgar como faço com os outros.
 
Não me deixes embriagar com o êxito quando consigo, nem a me desesperar se fracasso. Sobretudo, faz-me sempre recordar que o fracasso é a prova que antecede ao êxito.
 
Ensina-me que a tolerância é o mais alto da força e que o desejo de vingança é a primeira manifestação da debilidade.
 
Se me despojas do dinheiro, deixe-me a esperança e, se me despojas da vitória, deixa-me a força de vontade para poder vencer a derrota.
 
Se me despojas da saúde, deixa-me a graça da fé.
 
Se causo danos a alguém, dá-me  a nobreza da desculpa e, se alguém me causar danos, dá-me a força do perdão e da clemência.
 
Meu Deus...se me esquecer de Ti, por misericórdia, não Te esqueças de mim!
 
 

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Satisfação




"Somente se pode falar na pureza da alma se ela realmente for alva".
Caso não seja assim, trata-se de demagogia e estorinhas, criadas para a persuasão.
A alma límpida não se corrompe. Não se deixa persuadir pelas coisas infectadas que vivem no mundo, por mais que ele, o mundo, tente.  Como diz Oscar Wilde, in 'De Profundis':
"Quem poderá calcular a órbita da sua própria alma? As pessoas cujo desejo é unicamente a auto-realização, nunca sabem para onde se dirigem. Não podem saber. Numa das acepções da palavra, é obviamente necessário, como o oráculo grego afirmava, conhecermo-nos a nós próprios. É a primeira realização do conhecimento. Mas reconhecer que a alma de um homem é incognoscível é a maior proeza da sabedoria. O derradeiro mistério somos nós próprios. Depois de termos pesado o Sol e medido os passos da Lua e delineado minuciosamente os sete céus, estrela a estrela, restamos ainda nós próprios. Quem poderá calcular a órbita da sua própria alma?"
Ninguém conhece a alma de ninguém e a corrida maior que um ser humano pode percorrer é a do conhecimento de sua própria alma, de seu próprio anseio.
Muitas vezes corre-se atrás do anseio alheio, fazendo o que o seu próximo deseja. Onde está a sua alma nesta situação?  Nestes casos a satisfação é momentânea. Sua fundamentação é firmada nas rochas.
.......
......
Procuremos a alma alva e a satisfação real na real satisfação.

Bia Fernandes



(O texto na íntegra faz parte do segundo livro da autora)